29 março 2007

São Paulo terá maior sauna gay da América Latina

Com investimento em torno dos R$500 mil, São Paulo terá a maior sauna gay da América Latina. Será um espaço de mil metros quadrados e capacidade para 400 homens e ficará aberta 24 horas. 

O nome lembra sexo: Sauna 269, pois fica na Rua Bela Cintra, 269, tradicional reduto gay de São Paulo. 

A fachada da casa é discreta, não é possível perceber logo de cara que se trata de uma sauna gay, e isso é bom para os clientes enrustidos que frequentam esses ambientes de forma escondida. 

A previsão de retorno do dinheiro investido é de apenas um ano. Para trabalhar na casa a exigência é ser gay.

Esse endereço já teve um buffet infantil e um restaurante e agora sofreu grandes mudanças para abrigar a sauna, contando com inúmeros quartos, hidromassagem, Tvs de plasma, internet, bar e um dj para comandar o som. 

A intenção deles é inovar e deixar o público gay extremamente confortável.

Uma empresa de seis anos quer comprar uma de 80

A tradicional empresa área Varig com 80 anos no mercado, foi comprada ontem pela novata Gol linhas aéreas. 

Digo novata pois a Gol tem somente seis anos, pertence a família Constantino, que eram donos da lacrada Viação Jaraguá, que prestava um mal serviço a população de transporte público para a população da zona norte e oeste de São Paulo. 

Eles controlam o grupo rodoviário Breda, que faz linha para o litoral paulista e agora com a aquisição da Varig, a Gol passa a ter junto com a Varig 45% do mercado aéreo em nosso país, perdendo para a Tam que controla 47% de linhas aéreas. 

A Gol veio ao mercado com uma proposta diferenciada, com passagens de custo mais baixo, um lanche no avião mais simples, tudo para cativar o público. 

A ideia deu certo, as linhas aumentaram, inclusive com roteiros internacionais, e a família Constantino já aparece na Lista da Forbes como uma das mais ricas do Brasil. 

Essa compra custou US$320 milhões, sendo US$98 milhões do caixa da Gol, ações da empresa na casa dos US$6,1 milhões. A Varig deve e a Gol irá cobrir esse rombo de R$100 milhões.

Agora o mercado está dividido, e a previsão é que em no máximo dois anos, a Gol já assuma a liderança total na demanda de passageiros, já que irá renovar a estrutura da Varig, ampliando as rotas internacionais entre América e Europa. 

Só torço para essa área não ficar completamente monopolizada, pois daí a Gol com o poder, colocará as tarifas no valor que entender. 

28 março 2007

Entrevista com Germano Mathias


Ontem tive o privilégio de conhecer e fazer uma entrevista com Germano Mathias, ''O catedrático do samba''. 

Em uma conversa descontraída em sua casa, pude comprovar sua arte e talento. 

Adepto do samba sincopado, Germano tem a capacidade de dominar os instrumentos de percussão e o canto ritmado, faz o som do sax e da cuíca na boca, seu samba é rápido, é do qual gosta, pois o samba muito lento dá impressão que o sambista morreu, segundo o próprio Germano. 

Foi uma injustiça não ter participado da trilha da novela Belíssima da Rede Globo, que se passava em São Paulo, e sua interpretação de ''Meu fraco é mulher'', tem muito mais swing do que a tocada com o Art Popular. 

Para o saudoso Bezerra da Silva, o que Germano Mathias faz no palco, ninguém consegue fazer igual. Esses são seus trabalhos mais recentes; "Tributo a Caco Velho" e "Talento de Bamba".




Renato Galvão - Qual sua origem Germano?
Germano Mathias - Sou paulistano, nascido no bairro do Pari, em 2 de junho de 1.934. Meu pai era carioca e minha mãe paulistana, ambos de ascendência portuguesa.

Renato Galvão - O senhor teve alguma influência para se tornar um sambista?
Germano Mathias - Fui influenciado por Ciro Monteiro, Jorge Veiga, Moreira da Silva, irmãs Linda, Dircinha Batista e Aracy de Almeida. Mas foi em Caco Velho que encontrei o modelo ideal. Caco era um gaúcho, nascido em 1.919, e seu nome era Matheus Nunes, e construiu sua fama em São Paulo, com o slogan, ''O sambista infernal'', por causa de sua interpretação cheia de bossa, improvisos e domínio rítmico.

Renato Galvão - Os engraxates do Centro de São Paulo gostam muito do senhor, como começou essa relação com eles?
Germano Mathias - Aos 18 anos eu estava andando na Praça da Sé, e notei os engraxates que batucavam em suas caixas de madeira e latas de graxa. Eu aprendi o bailado dos pés e pernadas, e também a arte de dominar os instrumentos de percussão e o canto ritmado. Passei a ser valorizado nas rodas da cidade, como as da Sé, da Barra Funda e Rua Direita.

Renato Galvão - O senhor serviu o exército, isso não atrapalhou a carreira artística?
Germano Mathias - Servi a artilharia Anti-Aérea em Quitaúna, mas não deixei o samba de lado, nessa época fiquei conhecido como ''Moleque Madureira''. Em 1.955, sai do exército e encontrei meu rumo. Participei de nove eliminatórias do Concurso ''A Procura de Um Astro'' do programa ''Caravana da Alegria'' da Rádio Tupi de São Paulo. Eu concorria com minha composição ''Minha Nega'', feita em parceria com Firmo Jordão, e a intenção do programa era achar um substituto a Caco Velho, que foi trabalhar na Boite La Macumba de Paris.

Renato Galvão - Primeiro disco saiu quando?
Germano Mathias - Fui contratado pelas Emissoras Associadas que eram as rádios Tupi e Difusora de São Paulo, como cantor e executante de instrumentos exóticos, e em 1.956, já estava nos estúdios da Polydor para fazer meu primeiro disco de 78 rpm; de um lado ''Minha Pretinha'' e do outro ''Minha Nega na Janela''. Já em 1.957, pela RGE surgiu meu primeiro LP; ''O sambista diferente''

Renato Galvão - Fez propaganda para a Kellogs?
Germano Mathias - Não, fiz um jingle, aliás o primeiro da Kellogs no Brasil.

Renato Galvão - Quando mudou de São Paulo para o Rio de Janeiro foi bem aceito pelos bambas cariocas?
Germano Mathias - Sem dúvida alguma, inclusive aumentei o convívio e as parcerias com músicos cariocas, principalmente os do Morro da Mangueira, graças a Padeirinho, fui recebido como bamba e integrei a Bateria da escola, tocando cuíca por dois carnavais.

Renato Galvão - Como foi atuar em uma novela?
Germano Mathias - Foi bom, fazia o papel de um malandro, o Nivaldo em ''Brasileiras e Brasileiros'' do SBT em 1.990. Em 1.986, na novela ''Cambalacho'' da Rede Globo fiz parte da trilha sonora com o samba ''Jerônimo'' de Eduardo Gudin e Carlos Melo. Além dessa participação no SBT, em 1.959 fiz doi filmes também.

Renato Galvão - Quais são seus projetos atuais?
Germano Mathias - Recentemente, lancei pela gravadora Atração, os CDs ''Tributo a Caco Velho'' e "Talento de Bamba", e em breve em todas as lojas do país um DVD, com o samba sincopado, que tanto gosto e letras dos anos 1.940, 1.950 e muito mais.

Renato Galvão - O senhor é único no samba sincopado?
Germano Mathias - Sim, hoje em dia só eu faço esse estilo de samba, dinâmico, rápido, dançante, aliás se dança como gafieira. Não gosto de sambas lentos, extremamente românticos, que dá a impressão que o sambista morreu, e não fomos ver o show e sim o velório do músico.

Renato Galvão - Para finalizar qual a definição de malandro?
Germano Mathias - Malandro é um cara que vive da jogatina, de pequenos golpes, é 171, boêmio, sabe se portar, bem vestido, e não fere seu semelhante. Já o bandido ataca e machuca o mais próximo, é covarde.

23 março 2007

Queriam matar o Knut

Esse é o Knut, filhote de urso branco, que mora no zoológico de Berlim, na Alemanha. 

Abandonado pela mãe, ele foi e é cuidado com carinho pelas pessoas do zoo e pelo tratador Thomas Dorflein, mas curiosamente ativistas que defendem os animais, queriam que o pobre ursinho fosse sacrificado. 

O motivo que alegam é que Knut jamais seria selvagem, não conseguiria sobreviver na natureza e por isso merecia a morte. 

Não é estranho, um animal em extinção, ter que morrer para ativistas que defendem os animais? 

Imagine se fossem contra os animais, mas Knut não passa mais perigo e continuará no zoo para a alegria dele, de seu tratador e do público. As fotos são do BOL.


20 março 2007

Em São Paulo, a frota de veículos cresce oito vezes mais que a população

Dados do Detran e da Prefeitura de São Paulo mostram que 500 novos carros entram diariamente em circulação aqui na cidade, isso contando somente automóveis, deixando de fora motos, caminhões e ônibus que também possuem uma representatividade significativa. 

Para se ter uma ideia, hoje temos mais carros do que via públicas. O número atual é de 5,6 milhões de veículos, um atrás do outro exigiria 21,4 mil km de vias públicas, e atualmente temos 17,2 mil.

O prefeito Gilberto Kassab quer combater a poluição, com a inspeção veicular que ainda não foi sancionada, e o objetivo é um custo zero para o motorista. 

A poluição mata pessoas, e as montadoras preocupadas com isso fazem atualmente veículos menos poluidores. 

O secretário do Verde e Meio Ambiente, Eduardo Jorge é favorável a construção de ciclovias, e o ''ciclista'' teria um cartão que não precisaria pagar passagens e sua bicicleta ficaria guardada em um bicicletário próximo ao Metrô, ou terminais de ônibus, e assim iria ao trabalho através da bicicleta, e não de carro ou ônibus, diminuindo o número de automóveis nas ruas e não poluindo. 

Tanto o prefeito Kassab, quanto o governador Serra, são contra à extensão de horário do rodízio de carros, que prejudicaria ainda mais os motoristas.

Na verdade, o assunto é cansativo e o trânsito continua desgastante. Obrigar o motorista a deixar seu carro, que geralmente é confortável e trocar por uma lotação ou um ônibus sujo e apertado, é complicado. 

O Metrô é razoavelmente limpo, mas é lotado, assim quem tem seu veículo, prefere ir ao trabalho com o mesmo, pois o transporte público oferecido em São Paulo, é ainda problemático.

19 março 2007

O Compadre

Nada mais suculento do que a comida mineira e caipira. No Lar Center, que é o shopping dos móveis, existe O Compadre restaurante, que é excelente. 

Lá encontramos o sabor do Brasil, com sua comida de fazenda e mineira. Variedade de queijos, assados como leitão, carne seca com abóbora, variedade de cachaças e muito mais. 

Junte tudo isso a um ambiente de formato rústico, que lembra a fazenda, o interior, tanto na decoração com suas mesas, luzes, o fogão à lenha e a música ao vivo no jantar de quinta à sábado. 

Serviço:
Avenida Otto Baumgart, 500, Vila Guilherme, São Paulo, SP, Tel. (11) 6222-3131 - www.ocompadre.com.br

11 março 2007

Nova Lista da Forbes com os mais ricos do mundo

A Lista da Forbes já conta com novos milionários. Para figurar nela, é preciso ter uma fortuna acima de US$1 bilhão, e novamente o cabeça da lista é Bill Gates, fundador da Microsoft, com um patrimônio de US$ 56 bilhões. 

O segundo colocado é o investidor da Berkshire Hathaway, Warren Buffett, com US$52 bilhões. A surpresa da lista é o mexicano Carlos Slim, da Telmex que em um ano teve seu patrimônio passando de US$30 bilhões para US$49 bilhões. 

Outras surpresas foram Amancio Ortega, dono das lojas de roupa Zara, com uma fortuna de US$24 bilhões e Sheldon Adelson, homem dos hotéis e cassinos nos EUA, com US$36,5 bilhões. 

Tem algum brasileiro? Sim, muitos por sinal, com fortuns acima de US$1 bilhão. O primeiro deles é Joseph Safra, do Banco Safra com US$6 bilhões, Jorge Paulo Lemann, da Ambev com US$4,9 bilhões, seguido de Aloysio de Andrade Faria, do Banco Alfa com US$4 bilhões e na quarta posição Antonio Ermírio de Moraes do Grupo Votorantim, com US$3,9 bilhões. 

Novos na lista, a Família Constantino da Companhia Aérea Gol, que juntos somam US$4,4 bilhões. Para quem não sabe, a família Constantino era dona da antiga Viação Tusa, empresa de transporte público na zona norte de São Paulo, depois mudou várias vezes de nome, se tornando Jaraguá, Nova Paulista, Cachoeira, sendo lacrada pela Prefeitura de São Paulo, por servir um mal serviço a população, em 2.002.

05 março 2007

Os riscos da retirada de costelas

Está na moda as mulheres retirarem as duas costelas, tudo para ficar com uma cintura mais fina. Antigamente elas ficavam somente no torturante espartilho, uma fita grossa que sufocava a silhueta da mulher com o intuito de afiná-la, mas agora foram ao extremo e querem retirar as costelas para ficar com "cinturinha de pilão" definitivamente. 

O grande problema é que nosso corpo possui 12 pares de costela, que regem o pulmão, o fígado, o baço e toda parte cardíaca. 

As costelas saem da coluna vertebral, contornando o tórax, sendo que as duas que as mulheres querem tirar são as chamadas costelas flutuantes, que não se unem a frente. 

Segundo renomados cirurgiões, a cirurgia é fácil de ser feita, mas é tida como uma mutilação e os efeitos são graves como varizes, dificuldades intestinais, hemorroidas, atrofias musculares e até câncer.

Essa é uma cirurgia boba, pois prejudica muito a saúde da mulher, além de ficar bem estranho, até artificial - uma mulher com uma cintura tão fina.